SUBHAMASTU SARVA JAGATAM

 OM NAMAH SRI PARAMA RISHIBHYO YOGUIBHIYAHA

"Que todos os seres sejam felizes"

"OM - Glória aos Supremos Rishis e Yoguis"

Contato: 34-3235-3571   /   info@suddha.net   /   Rua Prof. Mario Porto, 443. Uberlândia, MG.

  • w-facebook
  • Twitter Clean
  • w-googleplus

© 2023 by ABC After School Programs. Proudly created with Wix.com

POTENCIAL USO DO ÓLEO DE BREU BRANCO NA HIPERTENSÃO

8-Jan-2018

 

 

A hipertensão, popularmente conhecida como pressão alta, é uma doença que atinge 17 milhões de pessoas no Brasil. Segundo a Organização Mundial da Saúde, estima-se que em 2030, os problemas cardiovasculares serão responsáveis por ¾ das mortes no mundo.

Caracteriza-se pelo aumento da pressão sanguínea, provocado pelo estreitamento das artérias. Como consequência, o coração passa a bombear o sangue com mais força, danificando os vasos sanguíneos e podendo comprometer funções cardíacas e cerebrais.

Os principais fatores responsáveis pelo aumento da pressão são estilos de vida e hábitos alimentares desregrados. As medições consideradas preocupantes, para enquadrar uma pessoa como hipertensa, consiste na pressão arterial com valores iguais ou acima de 14 por 9 (140mmHg X 90mmHg).

Os medicamentos convencionais utilizados para o tratamento de doenças cardiovasculares possuem preços elevados e costumam provocar efeitos colaterais. Embora apenas o uso de medicamentos isolados não sejam suficientes para a melhora do problema, que também demanda mudanças de hábitos e alimentação saudável, novas alternativas fazem-se necessárias.

Os produtos de origem natural, como os óleos essenciais, representam uma fonte extremamente valiosa para a produção de novas terapias médicas. A limitação do uso de antibióticos e demais fármacos, tem motivado o interesse científico a confirmar os efeitos positivos de terapias complementares e alternativas, como o uso da Aromaterapia.

Uma pesquisa realizada em 2017 analisou, pela primeira vez, a atuação do óleo essencial de breu branco (Protium heptaphyllum), conhecido por suas extensivas aplicações terapêuticas, na redução da pressão alta.

O estudo realizado in vitro, envolveu roedores com contração induzida da artéria mesentérica superior (canal responsável pela irrigação sanguínea do intestino delgado, parte do pâncreas e intestino grosso) O óleo essencial de breu branco foi adicionado cumulativamente, em doses de 3 a 750 μg/mL, onde avaliou-se a atuação do OE a cada 0.5 (μ),g/mL adicionado.

Notou-se que o óleo essencial de breu branco foi responsável pelo relaxamento de vasos sanguíneos dos roedores, a regulação da frequência cardíaca e, consequentemente, da diminuição das lesões provocadas pelo aumento da pressão sanguínea. Seus resultados de atuação foram comparados com os efeitos do Verapamil, um dos fármacos mais utilizados para regulagem da pressão sanguínea.

Com a mesma dosagem de 0.5 (μ),g/mL), o óleo essencial de breu apresentou 125% de relaxamento dos vasos sanguíneos, enquanto o verapamil, demonstrou 80% de relaxamento. 
 


O relaxamento dos vasos sanguíneos acontecem, pois o óleo é capaz de bloquear os canais de cálcio, aumentando, por conseguinte, o reflexo da frequência cardíaca. O estudo, portanto, demonstra o potencial uso do óleo essencial de breu, como agentes promissores para o tratamento e prevenção de doenças cardiovasculares.

O breu (Protium heptaphyllum), também conhecido como amescla ou almecega, é uma árvore da família Burseraceae, fortemente presente na região amazônica, Bahia, Ceará e Piauí. O óleo essencial da planta é obtido a partir da resina retirada do tronco da árvore.

Entre os índios amazônicos é conhecido por ser um excelente descongestionante nasal. Suas aplicações terapêuticas são múltiplas, destacando-se como anti-inflamatório, cicatrizante, antioxidante e atuações antimicrobianas. No campo emocional desperta o relaxamento, induzindo a estados meditativos e de introspecção.

 

REFERÊNCIAS: Gas Chromatography-Triple Quadrupole Mass Spectrometry Analysis and Vasorelaxant Effect of Essential Oil from Protium heptaphyllum (Aubl.) March - BioMed Research International Volume 2017, Article ID 1928171,

 

Please reload

Outros Posts
Please reload